Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Gato com Vertigens

Um espaço com ideias para pensar, divertir e partilhar.

Gato com Vertigens

Um espaço com ideias para pensar, divertir e partilhar.

O gato com vertigens é um blog que se destina a todos aqueles que tiverem algo de inteligente para dizer ou que queiram aprender mais sobre o mundo em que vivemos. Quer seja um comentário a uma notícia, um elogio, uma celebração, um desabafo ou uma denúncia, a sua opinião é bem-vinda.

 

Hamster com um apetite saudável

Não sei se sabem, mas a palavra hamster tem origem na palavra alemã hamstern, que significa acumular, precisamente porque estes pequenotes fofos, passam as suas noites a acumular comida (e os dias a dormir).  


Este aqui ao lado (que é uma foto da internet), a tentar esconder uma cenoura, é um hamster sírio, a espécie de tamanho maior (entre 15 a 20cm de comprimento e 180 a 210g de peso). Das espécies que vulgarmente se criam como animais de estimação este é normalmente o mais calmo.

Ele usa as bochechas como bolsas para guardar a comida e vive em média de 2 anos a 2 anos e meio.

Este Anão Russo de Campbells, na roda branca, era a Fluffy. Foi o meu primeiro hamster, uma fera, do tipo leão! Não se podia chegar-lhe com a mão, porque era dentada pela certa, no entanto, foi o nosso primeiro amor!

Existem muitas e diferentes espécies de hamsters espalhados por todo o mundo, e muitos deles habitam regiões semi-desertas, onde vivem em tocas. Estas tocas são túneis e câmaras que são utilizadas para dormir e armazenar a sua preciosa comida.

O hamster dourado - Mesocricetus auratus, o da cenoura lá em cima - é um roedor da família Cricetidae. Ocorrem numa faixa limitada no Oriente Médio, onde a destruição do território e predação por outros animais ameaçam a existência da espécie.
Na Síria, onde são chamados pelo equivalente arábico de "possuidores de bolsas para carregar", em virtude de suas bolsas faciais distendidas, vivem em profundas galerias onde guardam grandes quantidades de grãos.  

Este jeitoso na rodinha azul é um dos meus três hamsters que tenho actualmente. O Malaquias é também um sírio, embora seja um pouco mais escuro que o da cenoura. Mas já tive um quase igual, a Speedy, cor-de-meia-de-leite clarinha que está na foto seguinte.

 

Aqui está a nossa saudosa e muito medrosa Speedy (foi o nosso segundo hamster), numa das suas raras incursões fora da sua casinha. Só saía para ir buscar comida (que levava toda dentro das enormes bolsas para dentro de casa) e para ir à casa de banho.

 

Estes aqui em baixo são os outros dois hamsters que tenho de momento. Dois manos da espécie Anão Russo Siberiano (Winter White). Duas ternuras de dentes bem afiados! A mais pequenina, a Beanie, era um pequeno feijãozinho! Tinha 4 cm quando veio para casa e habituou-se a passear pelas nossas mãos! Mas o outro, o Cebolinha, está sempre pronto a ferrar o dente no dedo mais próximo.

 

Este amigo à direita era o Turbinas, outro Anão Russo Campbells. Este era outra fera.

Não podia ver mãos à frente (nem atrás, ou ao lado...) mas conseguíamos fazer-lhe umas festas de vez em quando.

Apesar de alguns deles serem um pouco ferozes, sempre demos mimos e fizemos festas a todos eles - se bem que, se formos apanhados desprevenidos, retribuem com algumas dentadinhas. 

 

O nosso hamster mais ternurento de sempre, o Sr. Tobias, nesta foto a descansar dentro da sua casa de banho, passeava por cima do sofá ou da cama, fazendo grandes explorações, e entretinha-se bastante a passear pelos nossos ombros, mãos e braços, com toda a normalidade! Já reparou neste ar pachorrento? Era realmente um miminho. Deixou muitas saudades.

 

Para acabar, fique com uma foto da nossa Beanie, quando veio para nossa casa. Compare o tamanho dela com a rodela de banana!

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.