Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Gato com Vertigens

Um espaço com ideias para pensar, divertir e partilhar.

Gato com Vertigens

Um espaço com ideias para pensar, divertir e partilhar.

O gato com vertigens é um blog que se destina a todos aqueles que tiverem algo de inteligente para dizer ou que queiram aprender mais sobre o mundo em que vivemos. Quer seja um comentário a uma notícia, um elogio, uma celebração, um desabafo ou uma denúncia, a sua opinião é bem-vinda.

 

O gato doméstico 1 - Classificação e características

Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Carnivora
Família: Felidae
Género: Felis
Espécie: Felis silvestris catus
Nome trinomial: Felis silvestris catus (Lineu, 1758)
 
O gato doméstico (Felis silvestris catus) é um pequeno mamífero carnívoro da família dos felídeos, muito popular como animal de estimação. É um dos maiores predadores dos ratos.
Características
Porte, longevidade e temperamento
Os gatos geralmente pesam entre 2,5 e 7 kg; entretanto, alguns exemplares, como o Maine Coon podem exceder os 11,3 kg. Outros chegaram aos 23 kg devido à superalimentação.
Em cativeiro, os gatos vivem tipicamente entre 15 e 20 anos, mas o exemplar mais velho já registado viveu até aos 36 anos. Os gatos domésticos têm a sua expectativa de vida aumentada quando não têm permissão para vagar pelas ruas, o que reduz o risco de ferimentos ocasionados por brigas e acidentes, bem como quando são castrados, o que também reduz os risco de incidência de câncer de testículos e ovários.
Gatos selvagens que vivem em ambientes urbanos têm uma expectativa de vida de 2 anos ou menos. Gatos selvagens mantidos em colónias tendem a viver muito mais; o Fundo Britânico de Acção para Gatos (British Cat Action Trust) relatou uma gata selvagem com cerca de 19 anos de idade. O mais velho gato selvagem foi Mark que era mantido pela associação britânica Cats Protection, alcançando os 26 anos de idade.
Há trinta e dois músculos na orelha dos gatos que os permitem ter um tipo de audição direccional, permitindo-os mover cada orelha independentemente da outra. Assim, um gato pode mover o corpo em uma direcção, enquanto move as orelhas para outro lado. A maioria dos gatos possui pavilhões auditivos orientados para cima. Diferentemente dos cães, gatos com orelhas dobradiças são extremamente raros (os Scottish Folds são uma das excepções devidas a mutações genéticas). Quando irritados ou assustados, os gatos ajeitam as suas orelhas para trás, acompanhando os chiados e resmungos que provocam.
O gato doméstico sabe bem como conservar sua energia
O método de conservação de energia dos gatos compreende dormir, acima da média da maioria dos animais, especialmente à medida que envelhecem. A duração do período de sono varia entre 12–16 horas, sendo de 13–14 horas a média. Alguns espécimes, contudo, podem chegar a dormir 20 horas num período de 24 horas.
O temperamento varia conforme a ninhada e a socialização. Os gatos de pêlo curto tendem a ser mais magros e activos, enquanto os gatos de pêlo longo tendem a ser mais pesados e menos activos. Entretanto a maioria dos gatos compartilham um mesmo comportamento: são extremamente curiosos, tanto que existe um dito popular que diz "A curiosidade matou o gato".
A temperatura normal do corpo desses animais varia entre 38 e 39 °C. O animal é considerado febril quando tem a temperatura igual ou superior a 39,5 °C, e hipo térmico quando está abaixo de 37,5 °C. Comparativamente, os seres humanos têm temperatura normal em torno de 37 °C. A pulsação do coração desses pequenos mamíferos vai de 140 a 220 batidas por minuto e depende muito do estado de excitação do animal. Em repouso, a média da frequência cardíaca fica entre 150 e 180 bpm.
Um adágio popular diz que “os gatos caem sempre de pé”. Geralmente o ditado corresponde à realidade, mas não é uma regra simples. Durante a queda, o gato consegue, por instinto, girar o corpo e prepará-lo para aterrar em pé, utilizando a cauda para dar equilíbrio e flexibilidade. Eles ajeitam-se sempre do mesmo modo, conquanto haja tempo durante a queda para fazê-lo. Algumas subespécies sem cauda são excepções a essa regra, já que o gato conta com a cauda para conservar o momento angular, necessária para endireitar o corpo antes do pouso.
Gatos, tal como os cães, são digitígrados: andam directamente sobre os dedos; os ossos de seus pés compõem a parte mais baixa da porção visível das pernas. São capazes de passos precisos, pousando cada pata directamente sobre a pegada deixada pela anterior, minimizando o ruído e as trilhas visíveis.
 
Fonte: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.